Pages Menu
Categories Menu

Postado em set 29, 2015 em Cinema e TV, Destaque

VAI QUE COLA: O FILME

 

Está confirmada para dia 01 de outubro a estreia da comédia nacional VAI QUE COLA: O FILME no Rio Grande do Sul. A partida da próxima quinta-feira o longa será apresentado nas cidades de Porto Alegre, Cachoeirinha, Canoas, São Leopoldo, Novo Hamburgo, Farroupilha, Caxias do Sul, Pelotas, Rio Grande, Santa Maria, Passo Fundo, Lajeado e Nova Petrópolis. O longa tem direção de César Rodrigues e roteiro de Luiz Noronha, Fil Braz e Leandro Soares, a comédia é produzida pela Conspiração Filmes em parceria com Luiz Noronha, Paulo Gustavo, Multishow e Universal Pictures Internacional. A distribuição é da H2O Films.

Com 100 minutos de duração, VAI QUE COLA: O FILME narra os perrengues diários de Valdomiro Lacerda (Paulo Gustavo) e a turma da pensão da Dona Jô. Após sofrer um golpe do próprio sócio, a vida de Valdomiro Lacerda mudou completamente. De empresário bem-sucedido a entregador de quentinhas, de morador de uma cobertura à beira-mar a hóspede de uma pensão no subúrbio. Porém, os dias de glória estão de volta, mas, desta vez, ele não estará sozinho para curtir os melhores momentos da vida boa.

DIRETOR
César Rodrigues trabalhou para a Rede Globo, Rede Record e TV Cultura, com as quais foi premiado em diversos festivais. Atualmente, dirige a segunda temporada da série ‘Vai Que Cola’, exibida no canal Multishow. Também foi responsável pela direção dos longas Uma Professora Muito Maluquinha (2011), que recebeu o Grande Prêmio do Cinema Brasileiro de Melhor Filme Infantil, em 2012, e High School Musical: O Desafio (2010).
Para a TV, dirigiu os seriados ‘Filhos do Carnaval’, da HBO, ‘Mulher’ e ‘Labirinto’, da Rede Globo, ‘A Segunda Vez’, do Multishow, e ‘Um Menino Muito Maluquinho’, premiada como melhor série infantil para a TV da 33ª Edição do NHK Japan Prize, finalista do Prix Jeunesse e outros prêmios nacionais e internacionais.

SINOPSE
Valdomiro Lacerda (Paulo Gustavo) é um tipo metido a malandro, que perdeu todo seu dinheiro ao ser envolvido em uma falcatrua da empresa da qual era sócio. Para fugir da polícia, Valdo se muda para pensão de Dona Jô (Catarina Abdalla), no subúrbio do Rio de Janeiro, onde passa os dias reclamando da nova realidade e sonhando com um retorno apoteótico à antiga vida de luxo. Quando um ex-sócio o procura com um plano para recuperar sua cobertura de frente para o mar, Valdo acha que suas preces foram atendidas. Só que Valdo não contava que a ida inesperada e imprevista de toda a turma da pensão – além de Dona Jô, Ferdinando (Marcus Majella), Terezinha (Cacau Protásio), Jéssica (Samantha Schmütz), Máicol (Emiliano d’Avila), Velna (Fiorella Mattheis) e Wilson (Fernando Caruso) – fosse pôr em risco seu plano.

ELENCO
Paulo Gustavo – Valdo
Cacau Protásio – Terezinha
Catarina Abdalla – Dona Jô
Marcus Majella – Ferdinando
Samanta Schmütz– Jéssica
Fernando Caruso – Wilson
Emiliano d’Ávila – Máicol
Fiorella Mattheis – Velna
Oscar Magrini – Brito
Werner Schünemman – Quaresma
Márcio Kieling – Andrada
Rogério Froes – Juíz Leleo
Jonathan Haagensen – Márcio Mangueirão
Klebber Toledo – Famoso
Flavia Reis – Vanda da Van
Claudio Amado – Paparazzo

FICHA TÉCNICA
Título: Vai Que Cola: O Filme
Gênero: Comédia
País: Brasil
Duração: 100 minutos
Cor: Colorido
Direção: César Rodrigues
Roteiro: Luiz Noronha, Fil Braz e Leandro Soares
Direção de fotografia: João Pádua
Montagem: Marcelo Moraes
Figurinos: Nello Marrese
Música original: Lucas Marcier e Fabio Krieger
Direção de arte: Rafael Targat
Supervisão de efeitos visuais: Claudio Peralta
Coordenação de produção executiva: Monica Juncken
Classificação indicativa: Livre

Trailer

Estreia nacional: VAI QUE COLA: O FILME
01 de outubro de 2015
H2O Films
www.h2ofilms.com.br

 

unnamed

También, considere “http://kamagraoraljelly.me/es/” o Comprar Kamagra Oral Jelly. Muchos posiblemente piensan que la eficacia de Kamagra está bien documentada. No tome más de Kamagra o cualquier otro medicamento que el recomendado. El profesional de la salud tienes razón que resolver qué dosis es la más adecuada. Si el medicamento se usa según sea necesario, es poco probable que esté en un programa de dosificación.