anaguerra@mundocult.com.br

Notícias

26º PORTO ALEGRE EM CENA PROPÕE REFLEXÃO SOBRE A HUMANIDADE

 

Seguindo proposta da edição passada, o 26º Porto Alegre em Cena, que promove apresentações e eventos ligados às artes cênicas pela cidade de 10 a 23 de setembro, esse ano propõe discussão sobre o Brasil, quem somos e o futuro da humanidade. Abrangendo mais temáticas e aprofundando relações entre a natureza e o humano, o viés será mais ligado ao âmbito filosófico e antropológico. “A presença do corpo em cena, não apenas humano, mas os corpos da natureza, descentralizar a figura humana das grandes realizações e mesclar suas diferenças, valorizando-as são algumas das propostas de discussão do festival esse ano. Queremos causar reflexões sobre a humanidade e nossas potências e fragilidades”, explica Fernando Zugno, diretor geral do Em Cena. Além disso, temáticas como processos imigratórios e povos originários no Brasil também darão a tônica dos encontros. 53 atividades fazem parte da 26ª edição do festival. Os ingressos custam de R$10,00 a R$80,00.

Artistas indígenas de Minas Gerais e da Amazônia, além de representantes regionais, estarão presentes. Ailton Krenak (krenak), Davi Kopenawa (yanomami) e um xamã (yanomami) serão figuras centrais nas discussões e estarão em Porto Alegre durante todo período do festival para uma das residências artísticas dessa edição.

Esse ano ainda, Fabio Zimbres, ilustrador e artista plástico, foi convidado para conceber a arte para todos os materiais gráficos produzidos pelo festival. Zimbres teve como inspiração corpos a partir de pinturas rupestres e indígenas para as criações.

 

SOBRE LIDERANÇAS E REPRESENTATIVIDADE

“Krenak auxiliou a formatar a Constituição de 88. Kopenawa escreveu uma obra prima intitulada A queda do céu em parceria com o francês Bruce Albert, que só ganhou versão em português cinco anos depois de seu lançamento na Europa. Eles estarão juntos, durante dez dias, no festival, e serão centrais em uma das residências artísticas que planejamos”, ressalta Zugno. Krenak e Kopenawa são líderes indígenas, escritores e embaixadores de prestígio mundial que viajam o mundo falando sobre a cultura dos povos e questões ambientais e constitucionais.

Sergio Blanco é diretor e dramaturgo, dos mais importantes da atualidade, e desponta no âmbito cênico com duas peças que levam sua assinatura. São elas: Las Flores Del Mal (em que Blanco versará sobre violência de uma forma geral e, especificamente, na arte) e A Ira de Narciso.

Em celebrada parceria com o Festival Santigo Off, no Chile, desde o ano passado, o Porto Alegre em Cena troca convites e espaços na programação. “Eles convidam uma peça de Porto Alegre para o festival deles e nós também convidamos uma peça de Santiago para o nosso”, comemora Zugno. No ano passado a exibição por aqui foi do espetáculo 40 mil kms e por lá A Mulher Arrastada. Durante o Em Cena o curador do festival irá escolher qual será a peça que representará a cidade na sua programação.

 

LANÇAMENTOS E PREMIAÇÃO

Nessa edição serão cinco lançamentos de obras literárias, no Centro Municipal de Cultura, além de atividades complementares sobre as obras: o livro de dramaturgia francesa ganhará leitura dramática dirigido por Renato Forin Jr e interpretado pela Cia. Indeterminada.

O destaque Panvel no 26º Porto Alegre em Cena será destinado ao Clube Social Pertence, que desenvolve trabalho de sociabilização com pessoas com deficiência física, sensorial e intelectual. O grupo exibirá o espetáculo Todo Mundo Tem um Sonho, no palco do Theatro São Pedro.

 

PROJETOS DE RESIDÊNCIA ARTÍSTICA

Três residências artísticas em Porto Alegre durante o festival estão previstas: duas delas com inscrições abertas. A montagem intitulada Lobo será impactante e contará com artistas locais para fazer parte do elenco. A segunda será uma construção coletiva de espetáculo, com criação e concepção absolutamente inéditas, que se chamará Corpo Acúmulo, e que terá entrada franca. E a terceira e uma das grandes novidades consiste na residência artística com a direção de um dramaturgo gaúcho e os líderes indígenas e o xamã yanomami envolvidos na condução cênica, produção e direção das cenas. Projeto ambicioso e que visa desdobramentos: uma segunda residência com imersão e vivência prática da realidade de Watoriki, uma aldeia indígena brasileira para, por fim, encaminhar a obra para o final em uma última residência em São Paulo. E, então, excursionar o país e exterior com a montagem que teve início em Porto Alegre, durante o festival esse ano. É a primeira co-produção do Porto Alegre em Cena e se realiza em parceria com o SESC-RS.

 

SOBRE A PROGRAMAÇÃO

“Trazer profissionais de fora e unir artistas locais para propor uma relação de troca e fazer parte do processo de criação é uma de nossas grandes propostas esse ano”, enfatiza Zugno. A programação está repleta de diversidade. Desde temáticas mais densas e reflexivas até montagens mais populares. Entre os destaques estão Dakh Daughters um grupo de mulheres ucranianas que mistura músicas, textos e interpretações que versam sobre amor e guerra; Gota D`água {Preta} é uma releitura do clássico criado por Chico Buarque e Paulo Pontes na década de 70, encenado por um elenco predominantemente negro, em que estilos da periferia, funk e hip hop são embalados pela forc?a e a influe?ncia das religio?es de matriz africana; PI Panorâmica Insana conta com mais de 150 personagens interpretados por Cláudia Abreu, Leandra Leal e grande elenco. A peça, dirigida por Bia Lessa, discute temas como civilização, indivíduo, sexualidade, política, violência, miséria, riqueza e desejo. 

 

INÍCIO VENDA DE INGRESSOS 

Pré venda – 20 de agosto

Venda geral – 30 de agosto

Bilheteria física – Shopping Total

Vendas online – uhuu.com 

Serviço completo de venda de ingressos será divulgado em breve

 

FOTO: Marcelo Almeida

 

 

Veja Também