anaguerra@mundocult.com.br

Notícias

FUNDAÇÃO IBERÊ CAMARGO COM INTENSA PROGRAMAÇÃO CULTURAL

 

No fim de semana de 9 e 10 de junho, a Fundação Iberê Camargo traz uma programação alusiva à exposição Moderna para Sempre – Fotografia Modernista Brasileira na Coleção Itaú Cultural, em cartaz até o dia 15 de julho.

No sábado, 9 de junho, às 15h, acontece a oficina Lentes modernas | Oficina de desenho experimental, destinada a todas as pessoas interessadas em explorar as formas geométricas e abstratas, texturas, luz e outros aspectos, tendo a arquitetura de Álvaro Siza como observatório. Na oficina, serão construídos desenhos experimentais para pensar as principais características da fotografia moderna brasileira e o uso da imagem. As inscrições devem ser feitas previamente pelo link https://goo.gl/forms/vNbUUDQpbkOUEsTx2. A atividade tem como ingresso a doação de uma caixa de leite limpa e vazia, para uso nas atividades do Programa Educativo.

Ainda no sábado, às 16h, acontece mais uma edição do Seminário Ponto de Fuga, tendo como convidada a curadora, artista e antropóloga visual Veronica Cordeiro. Na conferência intitulada Abrir uma Imagem, Veronica explora a potência da imagem fotográfica na construção de novos mundos, apresentando as pesquisas que vêm desenvolvendo com a fotografia nos últimos dez anos. Seu trabalho inclui projetos realizados com artistas brasileiros, argentinos, uruguaios e holandeses como Rosângela Rennó (Rio-Montevideo, 2011/2016), Ananké Asseff (Latir, 2017), Alejandro Chaskielberg (Otsuchi memorias futuras, 2015), Tamara Cubas (El día más hermoso, 2012), e Susette Kok (Cuidame que yo te cuidaré, 2014), além de outros onde a descoberta de uma imagem histórica mobiliza o próprio tecido político, social e cultural das comunidades. A conferência finaliza com a apresentação do novo festival internacional de fotografia do Centro de Fotografia de Montevidéu – MUFF – curado por Cordeiro e concebido como uma grande plataforma espaço-temporal de abertura de espaços para o acompanhamento de processos criativos. As inscrições podem ser feitas gratuitamente pelo link https://goo.gl/forms/RtDUvZlsgxJuiNMs2 .

Veronica Cordeiro (São Paulo, 1974, radicada em Montevidéu desde 2009) estudou História da Arte na Universidade de Edimburgo e tem mestrado em Antropologia Visual pela Goldsmiths, Universidade de Londres. É fundadora da surcontexto.org, organização independente dedicada à investigação e curadoria no contexto da arte sul-americana contemporânea. Entre seus projetos recentes estão uma exposição de novos trabalhos de Pablo Uribe (1962) e uma retrospectiva de Ernesto Vila (1937). Escreve para catálogos de exposições e colabora com ensaios para publicações como Art Nexus (Colômbia), Arte y Parte (Valencia), trans> arts.cultures.media (NY), Trópico (SP), Marcelina (SP), entre outros. Foi co-curadora do Pavilhão Urugay na Bienal de Veneza 2013.

O Seminário Ponto de Fuga é uma programação paralela à exposição Moderna Para Sempre – Fotografia Modernista Brasileira na Coleção Itaú Cultural, que segue em cartaz. O Seminário irá acontecer sempre aos sábados, até o dia 30 de junho, trazendo debates e palestras com artistas visuais e fotógrafos de renome – como Rosângela Rennó, Elaine Tedesco, Katia Prates, Eneida Serrano e Clóvis Dariano – para investigar a fotografia a partir de suas muitas naturezas, explorando os aspectos artísticos, tecnológicos, históricos e contemporâneos deste meio (saiba mais sobre o Seminário aqui: https://goo.gl/aGXwcr).

No domingo, 10 de junho, às 16h, o Cine Iberê exibe o primeiro longa metragem do cineasta francês Jean-Luc Godard. Realizado em 1960, Acossado (À bout de souffle) é uma potente e transgressora realização cinematográfica que causou muito impacto no conservador cenário cinematográfico francês na época de seu lançamento. Em cópia nova, 68 anos depois, o filme teve reestreia no Brasil em fevereiro deste ano. A sessão será comentada pela professora e pesquisadora Gabriela Almeida, autora de O ensaio fílmico – ou o cinema à deriva (editora Alameda, 2018). Com curadoria de Marta Biavaschi, a exibição integra o programa de cinema paralelo à exposição Moderna para Sempre – Fotografias Modernistas Brasileira na Coleção Itaú Cultural. A entrada é franca, por ordem de chegada.

Filme-ícone da Nouvelle Vague, Acossado é inspirado nos filmes policiais B norte-americanos e traz à tela o abismo existencial do pós-guerra. Com ritmo alucinante, os personagens vivem em alta velocidade - “sem fôlego”. A montagem em cortes secos – com pulos de continuidade (jump cuts) – chocaram a tradicional linearidade da época, posteriormente foi incorporada ao cinema moderno. Inovador e ousado, Acossado é considerado um dos filmes mais importantes da cinematografia mundial. Foi premiado com o Urso de Prata de Melhor Diretor na Berlinale (1960) e recebeu a indicação de Melhor Atriz no BAFTA Awards (1962).

A Fundação Iberê Camargo tem o patrocínio de Itaú, Grupo GPS, IBM, Oleoplan, Agibank, BTG Pactual, Banrisul e apoio SLC Agrícola, Sulgás e DLL Group, com realização e financiamento do Ministério da Cultura / Governo Federal.

 

Fim de semana na Fundação Iberê Camargo – programação
Sábado, 9 de junho:

Das 14h às 19h – visitação à exposição Moderna para Sempre – Fotografia Modernista Brasileira na Coleção Itaú Cultural

15h - Lentes modernas | Oficina de desenho experimental. Para pessoas de todas as idades. Inscrições prévias pelo link https://goo.gl/forms/vNbUUDQpbkOUEsTx2. A atividade tem como ingresso a doação de uma caixa de leite limpa e vazia, para uso nas atividades do Programa Educativo.

16h – Seminário Ponto de Fuga – conferência com a curadora Veronica Cordeiro, com o tema Abrir uma Imagem. Inscrições prévias pelo link https://goo.gl/forms/RtDUvZlsgxJuiNMs2


Domingo, 10 de junho:

Das 14h às 19h – visitação à exposição Moderna para Sempre – Fotografia Modernista Brasileira na Coleção Itaú Cultural

16h – Cine Iberê – Acossado, de Jean-Luc Godard (1h30min, 1960, França) - sessão única e comentada com Gabriela Almeida | Classificação indicativa: 14 anos

 

Exposição Moderna para Sempre – Fotografia Modernista Brasileira na Coleção Itaú Cultural

Curadoria: Iatã Cannabrava

Local: 2º e 3º andares

Período de exibição: de 19 de maio a 15 de julho de 2018

Classificação indicativa: Livre

Visitação: sábados e domingos, das 14h às 19h (último acesso às 18h45min). De quarta a domingo, a Fundação Iberê Camargo também atende a grupos agendados. Para fazer um agendamento, basta ligar para o Programa Educativo – 51 3247 8000

ENTRADA FRANCA

Endereço: Fundação Iberê Camargo - Avenida Padre Cacique, 2000

 

Exposição em cartaz:

Moderna para Sempre - Fotografia Modernista Brasileira na Coleção Itaú Cultural traz 144 obras fotográficas de 33 importantes artistas do movimento modernista brasileiro, com foco em suas participações no Foto Cine Clube Bandeirante e em sua importância para a cultura e identidade brasileiras.

De caráter itinerante e sempre com diferentes recortes, Moderna para Sempre apresenta na Fundação Iberê cerca de 60 obras que nunca foram expostas em Porto Alegre, com destaque para quatro trabalhos recém-adquiridos e incorporados à exposição pela primeira vez: Florale, de Geraldo de Barros; Oca, Parque do Ibirapuera, de German Lorca; além de Composição e Sem Título, de Mario Fiori. Também estão presentes na exposição artistas como Eduardo Salvatore, Marcel Giró, José Oiticica Filho, Osmar Peçanha, Thomaz Farkas, Ademar Marini, Rubens Teixeira Scavone, Gaspar Gasparian, Gunter E.G. Schroeder, Fabio Moraes Bassi, Paulo Pires e José Yalenti, além de Gertrudes Altschul – uma das raras representantes do gênero feminino no fotoclubismo a partir da década de 1940. A exposição tem a curadoria do fotógrafo e pesquisador Iatã Cannabrava.

“Atentos às transformações que ocorriam no mundo, os fotógrafos modernistas brasileiros devoraram influências para criar uma nova fotografia, que teve como premissa uma leitura essencialmente criativa e de ruptura”, explica Iatã Cannabrava, curador da exposição.

Sobre Iatã Cannabrava - Fotógrafo, editor, curador e agitador cultural, Iatã Cannabrava possui três livros publicados – Casas Paulistas (2000), Uma Outra Cidade (2009) e Pagode Russo (2014) –, fotos nas coleções MASP-Pirelli, Galeria Fotoptica, Joaquim Paiva e MAM-SP e trabalhos publicados em oito livros de autoria coletiva.

 

foto: Acervo Emilio Kalil

 

 

Veja Também