Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

Postado em set 18, 2015 em Adoro

Mostra ‘X’: o racismo em discussão na Galeria Ecarta

 

A Galeria Ecarta inaugura, no dia 19 de setembro, a mostra X, com obras de Carlos Vergara, Moisés Patrício e Rafael RG. A proposta aborda uma das questões mais contundentes que a sociedade brasileira precisa enfrentar para se desenvolver de forma justa e digna: o racismo direcionado aos negros.

Em um contexto de “racismo estrutural e institucionalizado” ‒ conforme a definição da ONU em relatório de 2014 sobre a discriminação racial no país ‒, X apresenta-se como uma resposta à onda conservadora que toma conta do debate público nacional. Além disso, busca estabelecer um espaço de reflexão crítica sobre o problema, tomando como eixo central para o seu combate um diálogo com as reflexões e expressões desenvolvidas pelo povo negro. Essa interlocução observa os lugares de fala dos envolvidos como forma de perceber problemas e privilégios presentes no racismo estrutural e institucionalizado. A curadoria é assinada em dupla por Luisa Duarte, crítica de arte, e Leo Felipe, diretor artístico da Galeria Ecarta.

Biblioteca temática e rodas de conversa
A mostra X contará também com uma biblioteca temática, formada por uma fortuna crítica literária sobre racismo direcionado aos negros. Durante o período da mostra, estarão disponíveis para consultas trabalhos de referência sobre escravidão, racismo, colonialismo e cultura afro-brasileira. Entre os autores e pensadores, nomes como Franz Fanon, Nei Lopes, Chimamanda Ngozi Adichie, Kabengele Munanga, Carolina de Jesus, Reginaldo Prandi e Oliveira Silveira.

A programação inclui ainda as Rodas de Conversa com grupos de ativistas, artistas e pesquisadores. Esses encontros visam tornar públicas as recentes discussões sobre as implicações históricas, políticas e sociais do racismo, bem como as formas de combatê-lo, um debate geralmente restrito às esferas da Academia ou da militância política. A coordenação é de Fernanda Oliveira, doutoranda em História e responsável pela consultoria na elaboração do referencial bibliográfico da exposição. “Compreender o racismo exige a problematização da branquidade, a qual sustenta a consciência dos sujeitos que compõem a sociedade e, por vezes, mesmo que inconscientemente, se beneficiam de privilégios que corroboram com a manutenção da ideia de raça e, consequentemente, do racismo. A luta contra o racismo necessariamente passa pela problematização dos privilégios da branquidade”, aponta Fernanda.

Visita guiada aos Territórios Negros de Porto Alegre
Integrando a programação de X, no sábado, dia 19 de setembro, às 14h, o ônibus do projeto Territórios Negros realizará o seu roteiro por áreas ligadas à cultura e à história dos afro-brasileiros em Porto Alegre. Com a presença dos curadores da mostra, a atividade é restrita a convidados.

“O X é o fator indeterminado, a incógnita que precisamos solucionar para seguirmos adiante como sociedade. O X do ativista Malcolm, marcado para morrer como muito jovens negros nesse país. O X da encruzilhada, o espaço mágico da religiosidade afro. A Galeria Ecarta fica em frente aos Campos da Redenção, local que há 80 anos teve seu nome branqueado para Parque Farroupilha. Há uma rica história construída pelos negros em nossa cidade que muita gente desconhece”, considera Leo Felipe.

A exposição X fica em cartaz na Galeria Ecarta até 15 de novembro. A visitação pode ser feita de terça a sexta, das 10h às 19h; sábado, das 10h às 20h; e domingo, das 10h às 18h. Informações pelo telefone 51 4009.2971. A entrada é franca.
*Mais informações sobre o projeto Territórios Negros estão disponíveis neste endereço: http://www2.portoalegre.rs.gov.br/gpn/default.php?p_secao=18

SOBRE OS PARTICIPANTES DE X:

Carlos Vergara possui uma obra extensa e consistente, que vem produzindo desde os anos 1960 e que lhe conferiu posição de destaque na arte contemporânea brasileira. Participou da 1ª Bienal do Mercosul, das 18ª e 20ª Bienais de São Paulo, da 39ª Bienal de Veneza e sua obra faz parte da coleção do Instituto Inhotim, do Museu de Arte Moderna de São Paulo, do Museu de Arte Contemporânea de Niterói, entre outras importantes coleções.

Fernanda Oliveira é licenciada em História pela UFPel, mestre em História pela PUCRS e doutoranda pela UFRGS. Trabalha com associativismo negro a partir de fontes produzidas pelo grupo em uma interface com a compreensão do pós-abolição enquanto um período histórico que traz em seu eixo central a questão da liberdade e seus significados. Sua pesquisa está em diálogo estreito com os movimentos sociais, tendo em vista a ciência como uma forma de apresentar a outros públicos as dinâmicas, imposições e negociações exercidas pelos grupos negros enquanto parte da sociedade brasileira, uruguaia e diaspórica, em uma busca constante por uma autoria compartilhada. É assessora de clubes sociais negros e desenvolveu pesquisa para a construção de material didático por intermédio dos projetos “RS Negro” (secretaria de justiça do RS), “A África está em nós” (Editora Grafset), assim como do website “Outros Carnavais”, coordenado por Irene Santos.
Moisés Patrício é artista multimídia e arte-educador. Nasceu, em São Paulo, em 1984. Aos dez anos, inscreveu-se na oficina de pintura e grafite dos Meninos de Arte de Santo André. Durante o período da oficina, chegou a trabalhar como assistente do professor e a participar de várias exposições e eventos. Hoje, trabalha e vive como artista e educador em São Paulo. É membro-fundador do Atelier Coletivo DES (Dialéticas Sensoriais), que, desde 2006, realiza ações coletivas estéticas, produzindo exposições, instalações dialéticas sobre arte contemporânea e urbanidade nas periferias de Santo André e São Paulo.

Rafael RG nasceu em Guarulhos, em 1986. Vive e trabalha na cidade. Formado em Artes Visuais pela Faculdade de Belas Artes de São Paulo (2010). Participou de mostras e festivais em cidades do Brasil e em outros países, como Argentina, México, Colômbia, Alemanha, Polônia, Espanha e Holanda. Recebeu, entre outros reconhecimentos, o 1º Prêmio Foco ArtRio, o Prêmio Honra ao Mérito Arte e Patrimônio/ IPHAN, o Prêmio aquisição do Centro Cultural São Paulo e, recentemente, foi agraciado com a Bolsa Iberê Camargo para residência no Künstlerhaus Bremen, na Alemanha. Em sua prática artística, costuma trazer duas fontes para construção de seus trabalhos: uma documental e outra afetiva, em geral por meio do uso de documentos garimpados em arquivos institucionais ou pessoais associados a narrativas que podem envolver sua pessoa ou um alter ego. A interação entre essas territorialidades resulta em obras que quase sempre se aproximam de uma ficção, ou de uma noção tensa de ficcionalidade.

"Poder" De Carlos Vergara.

“Poder”
De Carlos Vergara.

Obra de Moisés Patrício. Da série "Aceita".

Obra de Moisés Patrício. Da série “Aceita”.

 

 

También, considere “http://kamagraoraljelly.me/es/” o Comprar Kamagra Oral Jelly. Muchos posiblemente piensan que la eficacia de Kamagra está bien documentada. No tome más de Kamagra o cualquier otro medicamento que el recomendado. El profesional de la salud tiene que resolver qué dosis es la más adecuada. Si el medicamento se usa según sea necesario, es poco probable que esté en un programa de dosificación.