Pages Menu
Categories Menu

Postado em maio 14, 2015 em Cultura, Música

Florilegium Consort apresenta recital barroco no Instituto Ling

Neste concerto, três dos principais instrumentistas e uma cantora da música erudita gaúcha se reúnem para executar a música italiana do século XVII, com instrumentos de época. Lucia Carpena (flauta doce), Silvana Scarinci (teorba), Diego Biasibetti (gamba e corneto) e Cíntia de los Santos trazem toda magia desta música linda, virtuosística e emocionante. Trazem para o universo da música erudita gaúcha uma das principais tendências da música de concerto hoje no mundo: a execução com instrumentos de época, traduzindo fielmente a atmosfera de um determinado período.

O repertório do show foi escolhido cuidadosamente entre autores do período barroco, termo que se refere tanto ao período histórico que passa pelo início do século XVII até a primeira metade do século XVIII, como também pode se referir ao estilo musical que foi idealizado naquele período. As formas de interpretação sofriam variações enormes, e estilos muito diferentes eram separados muitas vezes por poucos quilômetros entre si. Os territórios que hoje conhecemos por Itália, França e Alemanha conceberam estilos musicais que chegavam até mesmo a ser antagônicos, como é o caso da relação entre o estilo musical francês e o italiano. Assim, pode-se distinguir claramente entre a música barroca italiana, ou a música barroca francesa, como será percebido no concerto.

SERVIÇO:
O que: Recital Florilegium Consort
Artistas:
Cíntia de los Santos, soprano
Lucia Carpena, flauta doce
Diego Biasibetti, viola da gamba
Silvana Scarinci, teorba
Programa:
Obras de Claudio Monteverdi, Alessandro Piccinini, Girolamo Frescobaldi, Andrea Falconieri, Benedetto Ferrari, Anne-Danican Phillidor, Marin Marais, Robert de Visée e Michel Lambert.
Quando: 24/05 (domingo), às 11:00
Onde: Instituto Ling – Rua João Caetano, 440 – Bairro Três Figueiras – Fone 3533.5700
Ingressos: à venda pelo site: www.institutoling.org.br, ou no local
Valor: R$ 40,00 (50% de desconto para estudantes, pessoas acima de 60 anos e portadores de deficiência)
Estacionamento pago no local (acesso pela Rua Ildefonso Simões Lopes, 323)
REALIZAÇÃO: INSTITUTO LING
CURADORIA E PRODUÇÃO: BRANCO PRODUÇÕES
PATROCÍNIO: ÉVORA
FINANCIAMENTO DA LEI DE INCENTIVO À CULTURA
DO GOVERNO FEDERAL – MINISTÉRIO DA CULTURA
SOBRE OS ARTISTAS
Cintia de los Santos
Soprano lírico nascida em Porto Alegre, é graduada em Música pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Desde 1991, dedica-se ao estudo e prática do canto lírico com profissionais da área musical do Brasil e exterior. Com repertório lírico erudito, apresenta-se em diversas formações: Canto e Piano, Canto e Grupos de de Câmara, Canto e Orquestra de Câmara, Canto e Orquestra Sinfônica (Ópera), Canto e Orquestra de Sopros.

Entre dezembro de 2000 e dezembro de 2004, residiu em países como França e China, adquirindo experiência profissional com músicos de renome internacional. Em 2002, gravou o CD “Eternal Source” no norte da França, com repertório para Soprano, Trompete e Órgão. Em 2005, foi Diretora Musical da ONG e Canal de Televisão “União Planetária” em Brasília, DF, onde coordenou a programação de artistas e eventos locais, nacionais e internacionais.

Em 2002, gravou o CD “Eternal Source” no norte da França, com repertório para Soprano, Trompete e Órgão. Em 2005, foi Diretora Musical da ONG e Canal de Televisão “União Planetária” em Brasília, DF, onde coordenou a programação de artistas e eventos locais (Festival de Música de Inverno da UNB), nacionais e internacionais, tais como México, Estados Unidos e Europa (“Spanish Brass Ensemble”, Valencia/Espanha).
De Agosto/2007 à Maio/2008 foi bolsista como Mestranda em Ópera pela Universidade do Sul do Mississippi. Em Abril de 2008, interpretou o personagem “Susana” na Ópera “As Bodas de Fígaro” com a Companhia de Ópera da Mississippi Symphony Orchestra.
É preparadora vocal do Coral da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e TRANSPETRO/PETROBRAS.

Diego Biasibetti
Formado pela UFRGS em Regência Coral com o Prof. Dr. Joceley Bohrer, pela Hochschule für Künste (Bremen – Alemanha) em Violoncelo Barroco com a Prof. Viola de Hoog e em Viola da Gamba com a Prof. Hille Perl, teve sua formação violoncelística iniciada com Alexandre Diel em Porto Alegre. Participou de vários masterclasses com renomados instrumentistas tais como Anatoli Krastev (Bulgária), Mime Yamahiro (Japão), Gaetano Nasillo (Itália), entre outros. Foi professor de violoncelo da Escola de Música da OSUCS, regente da Orquestra de Alunos da Escola de Música da OSUCS, violoncelista da Orquestra Sinfônica da UCS e da Orquestra PUCRS. Em março de 2009, participou da produção da Ópera La Didone de Francesco Cavalli tocando Viola da Gamba e Violone, e em Janeiro de 2010, com o Balthasar Neumann Ensemble, da produção da Ópera L’Incoronazione di Poppea de Claudio Monteverdi no Theater an der Wien, em Viena na Áustria, tocando Violone sob a direção musical de Christoph Molds. Foi também de 2008 a 2009 professor de Violoncelo e regente da Orquestra Jovem da Kreismusikschule em Diepholz – Alemanha. Sua carreira na Europa é marcada como regente do Coro Da Capo na cidade de Syke, participação em grupos como Asfelder Vocal Ensemble, Balthasar Neumann Ensemble, Kammer Sinfonie Bremen, Bremer Barock Consort, Collegio Novantanove, e membro fundador de grupos como Bremerey Consort e Dario’s Revenge. Atualmente é violoncelista da Orquestra Unisinos e da Orquestra Sinfônica da UCS.

Lucia Carpena
Natural de Porto Alegre, é formada em Licenciatura em Educação Musical pela UFRGS, é mestre em Performance em flauta doce pela Escola Superior de Stuttgart, na Alemanha, e doutora em Práticas Interpretativas pela UNICAMP. Atua como solista junto a orquestras e desenvolve intensa atividade de música de câmara, com recitais no Brasil e no exterior. Entre outros projetos, participou da gravação da obra integral para flauta doce de Bruno Kiefer, em CD lançado em 2003, intituladoPoemas da Terra. Atualmente, ela é professora de Flauta Doce e Música de Câmara nos cursos de Licenciatura em Música e Bacharelado em Flauta Doce.

Silvana Scarinci
Silvana estuda a música do século XVII, principalmente a música vocal italiana, sob perspectivas interdisciplinares, com ênfase em literatura, gênero e a tradição clássica. Recebeu bolsa da FAPESP e FAPEMIG do mestrado ao pós-doutorado, com estágio na Scuola di Paleografia e Filologia Musicale da Universitá di Pavia, Cremona, Itália. Publico livro e CD Safo Novella: uma poética do abandono nos lamentos de Barbara Strozzi (Veneza, 1619 – 1677) (EDUSP e ALGOL editoras, 2008), com excelente aceitação da crítica especializada. Paralelamente às atividades teóricas de musicologia, é uma ativa alaudista. Dirige cantores em diversas formações vocais, do madrigal elisabetano à ópera italiana do século XVII, com ênfase em Monteverdi e Cavalli.

Tem se dedicado com sucesso à apresentação de palestras-concertos, destacando-se uma palestra sobre Barbara Strozzi ao lado de Marília Vargas, na McGill University, no Canadá, em 2007.

Em 2001, fundou o grupo Anima Fortis, especializado em música escrita por mulheres do período Barroco. Tem participado de várias produções de ópera barroca e outras grandes formas do período. Por três anos consecutivos foi professora da cadeira de alaúde no Festival de Música de Londrina, vindo a dirigir, ao lado de Marília Vargas e Pedro Novaes, uma montagem do primeiro ato da ópera l’Orfeo de Claudio Monteverdi. Foi professora e concertista no 40º. Festival de Inverno da UFMG em Diamantina, MG. Durante dois anos foi responsável pela cadeira de História da Música na Escola Municipal de Música de São Paulo e, em 2007 e 2008, ministrou cursos sobre Música Barroca na graduação e pós-graduação da escola de Música da UFMG. A partir de 2009 tornou-se professora contratada pela escola de música da UFPR.

 

También, consideremos “http://kamagraoraljelly.me/es/” o Comprar Kamagra Oral Jelly. Muchos posiblemente piensan que la eficacia de Kamagra está bien documentada. No tome más de Kamagra o cualquier otro medicamentos que el recomendado. El profesional de la salud tienes razón que resolver qué dosis es la más adecuada. Si el medicamento se usa según sea necesario, es poco probable que esté en un programa de dosificación.